Café : Artigo : Origens jogando a toalha e vendedores agressivos , por Rodrigo Costa – 12/03/2018

Nos Estados Unidos existem 9 vagas de trabalho disponíveis para cada 10 pessoas desempregadas, uma situação de pleno emprego onde há desencaixe entre as qualificações exigidas pelos empregadores e as oferecidas pelos candidatos.

A divulgação da manutenção da taxa de desemprego, com a criação de postos bem acima do mínimo necessário para repor o mercado, inicialmente fez o dólar americano subir, mas como os salários aumentaram menos do que se imaginava os investidores tiraram um pouco o pé da aposta de aumentos adicionais de juros.

Trump ameaça novas tarifas para os “parceiros comerciais” com os quais o país tem um déficit grande, um movimento que se executado com severidade pode pressionar indicadores inflacionários, já que a América tem sido importadora de deflação nas últimas décadas.

O mercado acionário teve uma semana positiva, com ganhos de mais de 3% para os principais índices das grandes economias no mundo. Já o CRB oscilou ao redor dos 200.00 pontos, com ganhos de 6.81% do contrato de cacau, 3.05% do níquel e 2.18% do algodão, e perdas de 4.32% do açúcar demerara, 2.97% da soja e 1.35% do alumínio.

O café em Nova Iorque teve um intervalo curtíssimo, negociando entre US$ 119.60 e US$ 122.30 centavos por libra peso, para desespero de quem quer volatilidade para operar os futuros, e alegria dos participantes que estão vendidos em volatilidade.

O vencimento das opções seriais de abril, na sexta-feira, atraiu as cotações de maio para próximo de 120.00 centavos, onde tinha um volume de mais de três mil lotes de contratos em aberto.

O tom de espera para a chegada da safra brasileira tem deixado impaciente alguns vendedores, que aparentemente têm sido bem agressivos em vendas de diferenciais para o segundo semestre de 2018 e primeiro de 2019. Descontos incompatíveis com uma possível reposição mais leve, dão sinais aos importadores de que logo, logo outros vendedores sairão correndo para abastecer os livros em um basis historicamente bem confortável – para quem compra.

Os vendedores já saem perdendo na arrancada certos do alargamento dos diferenciais, mesmo com o mercado futuro há tempos “teimando” em não ouvir o grito dos altistas – vá entender. Provavelmente a estratégia de vender barato não deve ter machucado o suficiente em 2017, ou quem vende tem a “certeza” da alta do terminal ou ainda de uma desvalorização grande da moeda brasileira – tudo “fácil” de ser previsto.

A demanda tem sido melhor em geral, reflexo de uma necessidade de cobertura dos torradores e também em função de terem ficado animados com o barateamento das ofertas de alguns.

Os estoques de café na Europa subiram 147 mil sacas em janeiro, para um total de 9.925 milhões de sacas armazenadas nos portos reportados. Em fevereiro esperasse uma queda, assim como em março, dada a procura notada.

O Brasil exportou 2.3 milhões de sacas em fevereiro, abaixo das 2.59 milhões de sacas embarcadas no mesmo mês em 2017. A percepção de haver um volume bom de café nas mãos dos produtores e de as vendas futuras terem sido bem abaixo da média, faz o coro dos baixistas aumentar com a crença de que teremos uma pressão de venda no começo da colheita, algo que não se vive há mais ou menos umas três ou quatro safras.

Os fundos de investimento diante deste cenário continuam vendidos a descoberto no terminal, bem próximo do recorde histórico, entretanto alguns não-comerciais compraram o mercado nas últimas duas semanas. As origens, por outro lado, já estão jogando a toalha, como vimos no relatório dos comitentes as vendas equivalentes a 2.36 milhões de sacas nos cinco dias úteis até 6 de março.

Difícil imaginar como os diferenciais podem baratear se NY cair mais e o Real não enfraquecer.

O rompimento da média de 40 dias, a 123.25 centavos, pode trazer alguma recompra dos especuladores, e uma nova baixa (118.55) deve estimular os fundos de sistema a aumentarem suas vendas e forçar alguma liquidação de quem andou ficando long recentemente.

Uma ótima semana e muito bons negócios a todos.

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

0 comentário(s)

Escreva um comentário:

Nome:
E-mail:
Site: (opcional)
Comentário:

Outros artigosIr para página inicial

Café : Brasil eleva previsão de safra de café para recorde de quase 60 mi sacas – 18/09/2018

Café : Brasil eleva previsão de safra de café para recorde de quase 60 mi sacas – 18/09/2018(0)

SÃO PAULO/BRASÍLIA, 18 Set (Reuters) – A safra de café do Brasil em 2018 foi estimada nesta terça-feira em recorde de 59,9 milhões de sacas de 60 kg, aumento de 3,2 por cento na comparação com o número apurado no levantamento anterior, divulgado em maio pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O terceiro levantamento oficial

Café : Produtores de café buscam conversas urgentes com indústria sobre baixos preços – 18/09/2018

Café : Produtores de café buscam conversas urgentes com indústria sobre baixos preços – 18/09/2018(0)

LONDRES, 17 Set (Reuters) – Os produtores de café estão buscando reuniões urgentes com grandes clientes como a Nestlé, Jacobs Douwe Egberts e a Starbucks para encontrar maneiras de apoiar os preços que caíram para mínimas de 12 anos. O Fórum Mundial de Produtores de Café, cujos membros respondem por cerca de 85 por cento

Café : Artigo : Operadores tranquilos com suas posições , por Rodrigo Costa – 17/09/2018

Café : Artigo : Operadores tranquilos com suas posições , por Rodrigo Costa – 17/09/2018(0)

Os índices de ações americanos reagiram com especulações sobre o governo eventualmente aguardar uma reunião com a China para a implementação de nova tarifas às importações, mas o entusiasmo está em xeque diante das palavras de Trump reforçando sua vontade (ou blefe?) de seguir adiante com seu plano. No Brasil o Real voltou a desvalorizar

Café : Mercado em NY deve continuar pressionado por Dólar e Clima – 17/09/2018

Café : Mercado em NY deve continuar pressionado por Dólar e Clima – 17/09/2018(0)

São Paulo, 17/09/2018 – Os contratos futuros de café arábica iniciam a semana com perspectivas negativas na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O dólar fortalecido e as chuvas nas regiões produtoras brasileiras, que favorecem a ocorrência de floradas nos cafezais, devem manter o mercado pressionado. A moeda norte-americana acumula valorização de cerca de

Café : Mercado em NY encerra a semana pressionado por Câmbio e clima no Brasil – 14/09/2018

Café : Mercado em NY encerra a semana pressionado por Câmbio e clima no Brasil – 14/09/2018(0)

São Paulo, 14/09/2018 – O mercado futuro de café arábica recuou ontem na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), devolvendo praticamente todos os ganhos da sessão anterior. Os contratos voltaram a se aproximar do suporte psicológico de 100 centavos de dólar por libra-peso. O comportamento do dólar ante o real tem influenciado o desempenho



Cotações - Café, Dólar, Índices


  Café NY
Ativo
Último
Var.
Fech.
Julho/2018
-
-
-
Setembro/2018
92.00
-1.45
93.45
Dezembro/2018
95.85
-1.45
97.30
Março/2019
99.20
-1.55
100.75
Maio/2019
101.65
-1.55
103.20
 
  Café BMF
Ativo
Último
Var.
Fech.
Setembro/2018
122.00
+0.00
120.75
Dezembro/2018
110.50
-0.10
110.60
Setembro/2019
125.00
-2.25
120.45
Dezembro/2019
128.00
-2.15
125.05
 
  Café Londres Robusta
Ativo
Último
Var.
Fech.
Julho/2018
-
-
-
Setembro/2018
1533
+12
1521
Novembro / 2018
1492
+13
1479
Janeiro/2019
1498
+12
1486
Março/2019
1517
+11
1506
 
  Dólar
Ativo
Último
Var.
Fech.
Comercial
4.1380
+0.0120
4.1260
Paralelo
4.3200
-0.0400
4.3600
Turismo
4.3100
-0.0400
4.3500
PTAX800
4.13630
-0.03260
4.16890
PTAX850
4.13690
-0.03260
4.16950
 
  Dólar Futuro
Ativo
Último
Var.
Fech.
Julho/2018
NA
NA
NA
Agosto/2018
NA
NA
NA
 
  Índice Bovespa Futuro
Ativo
Último
Var.
Fech.
Agosto/2018
NA
NA
NA
 


Início

Copyright © 2000 - 2014 - Café da Terra. Todos os direitos reservados.