Café : Artigo : Nova Iorque negocia a míseros 95 pontos em uma sessão , por Rodrigo Costa – 16/04/2018

A ata do FOMC, equivalente ao COPOM brasileiro, trouxe as impressões dos oficiais do comitê apontando uma economia mais ativa e com maior risco de aquecimento após as medidas fiscais expansionistas implementadas neste ano.

Um ajuste quanto a perspectiva de resposta a juros mais elevados devolveu animo a moeda americana, que caia frente aos estudos indicando um crescimento da dívida dos Estados Unidos incompatível com o que Trump defendeu no seu plano de corte de impostos.

A resposta de França, Inglaterra e dos Estados Unidos em um ataque à Síria, alardeado pelo líder americano durante a semana – o mesmo que, por sinal, criticava telegrafar aos inimigos as ações militares – puxaram as commodities, lideradas, claro, pelos componentes energéticos.

O açúcar, o café e o milho foram as únicas matérias-primas da cesta do CRB que cederam, as duas primeiras como de costume andando quase juntas e mais negativas do que nunca.

No Brasil alguns produtores começaram a colher o arábica em cereja para preparar o café semi-lavado e lavado, com amostras chegando a alguns escritórios para serem comercializadas. Ainda há pelo menos um mês para o início da colheita de forma mais abrangente na maioria das regiões do arábica, enquanto o conilon deve ganhar velocidade a partir do fim de abril.

Se Nova Iorque não tem contribuído, com o contrato “C” na quinta-feira última negociando em um intervalo de apenas US$ 0.95 centavos por libra (uma raridade), ao menos aos brasileiros a desvalorização do Real dá um alento para segurar os preços no mercado interno.

Nas outras origens a performance do terminal machuca mais, tendo a Colômbia sofrido com a apreciação do Peso, que responde positivamente ao barril de petróleo ter subido ao mais alto patamar desde o fim de 2014.

Um dado interessante é que o terceiro maior produtor de arábica, mesmo com as cotações internacionais prejudicando os fazendeiros, autorizou a importação de robusta para a indústria local, conversa indigesta e praticamente proibida no Brasil.

Números de safras revisados para cima, como o da Nicarágua onde a produção de 2.3 milhões de sacas foi maior do que as 2 milhões estimadas anteriormente, assim como uma disponibilidade razoável de Honduras e do Perú, refletem as respostas aos bons preços nos últimos anos, em uma cultura de ciclo mais longo e, portanto, sujeita também a um período dilatado de quedas que resolvam a equação de superávits.

As exportações brasileiras de março se mantiveram ao redor de 2.5 milhões de sacas, número esperado também para os três próximos meses.

O contrato de julho em Nova Iorque tem dois pontos a serem observados: 116.90 e 122.95, que aos serem rompidos definirão uma recuperação, provavelmente tímida, ou uma nova queda, também difícil de imaginar ser maior do que 5 ou, para exagerar, 10 centavos por libra-peso.

Enquanto isto quem tem vendido volatilidade está numa situação de agora ter de entrar short calls e puts com preços de exercício apenas 5 centavos equidistantes, um perigo, mas para alguns uma das poucas alternativas para cobrirem os seus altos custos-fixos.

Talvez reste apenas um vencimento para estes agentes se arriscarem tanto nas opções, pois imagina-se que durante o inverno brasileiro o risco desfavorável faça com que os traders sejam “desencorajados” pelos seus gerentes de risco.

Uma ótima semana e muito bons negócios a todos.

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

0 comentário(s)

Escreva um comentário:

Nome:
E-mail:
Site: (opcional)
Comentário:

Outros artigosIr para página inicial

Café : Concorrência no café se acirra e empresas médias buscam diferencial – 22/06/2018

Café : Concorrência no café se acirra e empresas médias buscam diferencial – 22/06/2018(0)

Diante de um mercado com concorrência cada vez mais acirrada — sobretudo por causa do avanço de grandes empresas —,  as companhias médias de café do país, que têm atuação mais regional, apostam em serviços e inovações para continuar a crescer. Isso também tem permitido que resistam ao assédio das grandes, que  nos últimos anos

Café : Semana : Comercialização de café do Brasil 2018/19 atinge 24% – 22/06/2018

Café : Semana : Comercialização de café do Brasil 2018/19 atinge 24% – 22/06/2018(0)

Porto Alegre, 22 de junho de 2018 – A comercialização da safra de café do Brasil 2018/19 (julho/junho) chegou a 24% até o dia 18 de junho. O dado faz parte de levantamento de SAFRAS & Mercado. No último mês, a comercialização avançou em nove pontos percentuais. As vendas estão avançadas em relação ao ano,

Agronegócio : Tecnologias focadas na nutrição do solo ganham destaque na Hortitec – 21/06/2018

Agronegócio : Tecnologias focadas na nutrição do solo ganham destaque na Hortitec – 21/06/2018(0)

Tendências de mercado, soluções à base de aminoácidos facilitam aproveitamento de nutrientes e equilíbrio biológico Será apresentada durante a Hortitec, exposição técnica de horticultura, que ocorre entre os dias 20 e 22 de junho, em Holambra (SP), a Linha Solo desenvolvida pela Alltech Crop Science, que tem como objetivo melhorar as condições para o desenvolvimento

Café : Região do Cerrado Mineiro participa da World of Coffee em Amsterdam – 21/06/2018

Café : Região do Cerrado Mineiro participa da World of Coffee em Amsterdam – 21/06/2018(0)

Mais uma vez a Federação dos Cafeicultores do Cerrado leva a Região do Cerrado Mineiro para expor sua origem e seus cafés para o mercado europeu, desta vez na World of Coffee que acontece em Amsterdam, Holanda. O evento é organizado pela SCA – Associação de Cafés Especiais e reúne milhares de visitantes na maior

Café : Mercado em Nova York deve manter inclinação baixista – 21/06/2018

Café : Mercado em Nova York deve manter inclinação baixista – 21/06/2018(0)

São Paulo, 21/06/2018 – O mercado futuro de café arábica subiu ontem na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), interrompendo uma sequência de cinco pregões consecutivos de queda. Os contratos se afastaram do suporte de 115,30 centavos de dólar por libra-peso, mas devem continuar pressionados pelo avanço da colheita no Brasil. O fim das



Cotações - Café, Dólar, Índices


  Café NY
Ativo
Último
Var.
Fech.
Julho/2018
113.85
Setembro/2018
116.95
Dezembro/2018
120.35
Março/2019
123.90
Maio/2019
126.30
 
  Café BMF
Ativo
Último
Var.
Fech.
Setembro/2018
136.50
-0.25
136.75
Dezembro/2018
140.50
+0.25
140.50
Setembro/2019
161.75
+3.00
152.55
Dezembro/2019
157.50
+0.95
156.45
 
  Café Londres Robusta
Ativo
Último
Var.
Fech.
Julho/2018
1724
Setembro/2018
1705
Novembro / 2018
1702
Janeiro/2019
1707
Março/2019
1716
 
  Dólar
Ativo
Último
Var.
Fech.
Comercial
3.7840
Paralelo
3.9200
Turismo
3.9200
PTAX800
3.76570
PTAX850
3.76630
 
  Dólar Futuro
Ativo
Último
Var.
Fech.
Julho/2018
3786.000
Agosto/2018
3781.500
 
  Índice Bovespa Futuro
Ativo
Último
Var.
Fech.
Agosto/2018
70980
 


Início

Copyright © 2000 - 2014 - Café da Terra. Todos os direitos reservados.