Café : Artigo : Nova Iorque negocia a míseros 95 pontos em uma sessão , por Rodrigo Costa – 16/04/2018

A ata do FOMC, equivalente ao COPOM brasileiro, trouxe as impressões dos oficiais do comitê apontando uma economia mais ativa e com maior risco de aquecimento após as medidas fiscais expansionistas implementadas neste ano.

Um ajuste quanto a perspectiva de resposta a juros mais elevados devolveu animo a moeda americana, que caia frente aos estudos indicando um crescimento da dívida dos Estados Unidos incompatível com o que Trump defendeu no seu plano de corte de impostos.

A resposta de França, Inglaterra e dos Estados Unidos em um ataque à Síria, alardeado pelo líder americano durante a semana – o mesmo que, por sinal, criticava telegrafar aos inimigos as ações militares – puxaram as commodities, lideradas, claro, pelos componentes energéticos.

O açúcar, o café e o milho foram as únicas matérias-primas da cesta do CRB que cederam, as duas primeiras como de costume andando quase juntas e mais negativas do que nunca.

No Brasil alguns produtores começaram a colher o arábica em cereja para preparar o café semi-lavado e lavado, com amostras chegando a alguns escritórios para serem comercializadas. Ainda há pelo menos um mês para o início da colheita de forma mais abrangente na maioria das regiões do arábica, enquanto o conilon deve ganhar velocidade a partir do fim de abril.

Se Nova Iorque não tem contribuído, com o contrato “C” na quinta-feira última negociando em um intervalo de apenas US$ 0.95 centavos por libra (uma raridade), ao menos aos brasileiros a desvalorização do Real dá um alento para segurar os preços no mercado interno.

Nas outras origens a performance do terminal machuca mais, tendo a Colômbia sofrido com a apreciação do Peso, que responde positivamente ao barril de petróleo ter subido ao mais alto patamar desde o fim de 2014.

Um dado interessante é que o terceiro maior produtor de arábica, mesmo com as cotações internacionais prejudicando os fazendeiros, autorizou a importação de robusta para a indústria local, conversa indigesta e praticamente proibida no Brasil.

Números de safras revisados para cima, como o da Nicarágua onde a produção de 2.3 milhões de sacas foi maior do que as 2 milhões estimadas anteriormente, assim como uma disponibilidade razoável de Honduras e do Perú, refletem as respostas aos bons preços nos últimos anos, em uma cultura de ciclo mais longo e, portanto, sujeita também a um período dilatado de quedas que resolvam a equação de superávits.

As exportações brasileiras de março se mantiveram ao redor de 2.5 milhões de sacas, número esperado também para os três próximos meses.

O contrato de julho em Nova Iorque tem dois pontos a serem observados: 116.90 e 122.95, que aos serem rompidos definirão uma recuperação, provavelmente tímida, ou uma nova queda, também difícil de imaginar ser maior do que 5 ou, para exagerar, 10 centavos por libra-peso.

Enquanto isto quem tem vendido volatilidade está numa situação de agora ter de entrar short calls e puts com preços de exercício apenas 5 centavos equidistantes, um perigo, mas para alguns uma das poucas alternativas para cobrirem os seus altos custos-fixos.

Talvez reste apenas um vencimento para estes agentes se arriscarem tanto nas opções, pois imagina-se que durante o inverno brasileiro o risco desfavorável faça com que os traders sejam “desencorajados” pelos seus gerentes de risco.

Uma ótima semana e muito bons negócios a todos.

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

0 comentário(s)

Escreva um comentário:

Nome:
E-mail:
Site: (opcional)
Comentário:

Outros artigosIr para página inicial

Café : Contratos em Nova York mantém inclinação negativa – 14/12/2018

Café : Contratos em Nova York mantém inclinação negativa – 14/12/2018(0)

São Paulo, 14/12/2018 – Os contratos futuros de café arábica voltaram a se recuperar ontem na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), mas ainda mantêm inclinação baixista. O mercado tem trabalhado com base em fatores técnicos, em meio à baixa volatilidade característica da aproximação do fim de ano. Pelos indicadores técnicos, os futuros de

Café : Exportações totais do Brasil atingem 3,68 mi scs em novembro-Cecafé – 12/12/2018

Café : Exportações totais do Brasil atingem 3,68 mi scs em novembro-Cecafé – 12/12/2018(0)

Porto Alegre, 11 de dezembro de 2018 – Considerando a soma de café verde, solúvel e torrado & moído, o Brasil exportou 3,68 milhões de sacas de café em novembro. O volume foi 24,4% superior ao total de sacas exportado no mesmo mês de 2017, quando o país exportou 2,96 milhões de sacas. Já em

Café : IBGE eleva previsão de safra de café do Brasil, com revisão em dados de MG – 11/12/2018

Café : IBGE eleva previsão de safra de café do Brasil, com revisão em dados de MG – 11/12/2018(0)

SÃO PAULO (Reuters) – O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimou nesta terça-feira a produção de café do país em 2018 em um recorde de 59,6 milhões de sacas de 60 kg, aumento de 1,7 por cento em relação ao mês anterior, com uma reavaliação da safra em Minas Gerais, principal Estado produtor

Café : OIC aponta queda nos preços em novembro, com aumento dos embarques – 11/12/2018

Café : OIC aponta queda nos preços em novembro, com aumento dos embarques – 11/12/2018(0)

Porto Alegre, 10 de dezembro de 2018 – A média mensal do indicador de preço composto do café da Organização Internacional do Café (OIC) caiu 1,5% em novembro, ficando em 109,59 centavos de dólar por libra-peso. Essa queda veio depois do aumento de 13,3% em outubro, para 111,21 centavos. As informações são da carta mensal

Café : Artigo : Traders arrumando as malas para as festas de fim de ano , por Rodrigo Costa – 10/12/2018

Café : Artigo : Traders arrumando as malas para as festas de fim de ano , por Rodrigo Costa – 10/12/2018(0)

O mercado financeiro está nervoso e mantem uma alta volatilidade com respostas imediatas às indicações mistas do governo Donald Trump sobre uma possível convergência, ou não, nas negociações de tarifas com a China. Trump ter mencionado um “acordo” sobre tarifas no setor automotivo e depois mudar a história, assim como a prisão da CFO de



Cotações - Café, Dólar, Índices


  Café NY
Ativo
Último
Var.
Fech.
Dezembro/2018
96.95
-1.85
98.80
Março/2019
102.25
-1.85
104.10
Maio/2019
105.40
-1.80
107.20
Julho/2019
108.10
-1.80
109.90
Setembro/2019
110.85
-1.75
112.60
 
  Café BMF
Ativo
Último
Var.
Fech.
Março/2019
-
-
123.50
Dezembro/2018
-
-
115.50
Setembro/2019
-
-
129.50
Dezembro/2019
-
-
135.75
 
  Café Londres Robusta
Ativo
Último
Var.
Fech.
Janeiro/2019
1443
-56
1477
Março/2019
1470
-52
1504
Maio/2019
1484
-53
1519
Julho/2019
1501
-51
1536
 
  Dólar
Ativo
Último
Var.
Fech.
Comercial
3.9050
+0.0240
3.8810
Paralelo
4.0800
+0.0100
4.0700
Turismo
4.0700
+0.0100
4.0600
PTAX800
3.90840
+0.03000
3.87840
PTAX850
3.90900
+0.03000
3.87900
 
  Dólar Futuro
Ativo
Último
Var.
Fech.
Dezembro/2018
NA
NA
NA
Janeiro/2019
-
-
3918.500
 
  Índice Bovespa Futuro
Ativo
Último
Var.
Fech.
Dezembro/2018
-
-
87145
 


Início

Copyright © 2000 - 2014 - Café da Terra. Todos os direitos reservados.